Comunicação positiva – Entrevista a Luis Roberto

COMUNICAÇÃO POSITIVA

“Nos últimos anos a gestão começou a olhar a comunicação como um parceiro estratégico, capaz de contribuir para os objetivos do negócio e para o propósito da empresa, tanto a nível externo como interno”. Quem o afirma é Luis Roberto, Partner do Comunicatorium, uma marca que acredita que a comunicação é um fator essencial e fulcral no sucesso das organizações.

Quando foi edificado o Comunicatorium e de que forma é que a marca tem vindo a contribuir para o mercado de uma forma eficaz, rigorosa e, acima de tudo, inovadora através da comunicação?
O Comunicatorium surgiu da vontade de partilha do conhecimento e know-how dos seus fundadores, adquirido ao longo de vários anos e em vários países, a que se juntaram outros parceiros institucionais representativos da comunicação empresarial e da gestão de pessoas, que acreditam na comunicação enquanto fator de sucesso das organizações.
Apresentado ao mercado em junho de 2015, o Comunicatorium é o primeiro player do mercado português, com uma metodologia de análise quantitativa das práticas e políticas de comunicação, facilitando o desenho da estratégia de comunicação das empresas, o seu planeamento e operação.
O Comunicatorium enquanto consultora de comunicação organizacional tem vindo a alargar a sua área de atuação, através de novas linhas de serviço de consultoria, e desenvolvimento de competências em comunicação, para equipas de liderança e alta direção das empresas.

Explique-nos um pouco a metodologia seguida pela marca no sentido de potenciar ao máximo o negócio dos vossos clientes e de que forma é que os mesmos assumem valias e vantagens por escolher o Comunicatorium?
A metodologia Comunicatorium foi desenvolvida a pensar nas necessidades de quem gere a comunicação empresarial, e no crescente grau de exigência dos CEO’s que procuram saber como a comunicação pode contribuir para os resultados da sua empresa.
A metodologia Comunicatorium assenta em quatro pilares – Diagnóstico, Estratégia, Planeamento e Operação.
O Diagnóstico é um retrato dos processos e práticas de comunicação, e a sua sistematização fornecendo aos gestores, uma visão real e integrada do estado da comunicação.
Os resultados quantitativos permitem afinar a estratégia de comunicação com a estratégia do negócio, e delinear o seu Planeamento.
As ações de comunicação geram um resultado económico e institucional para as empresas que se torna necessário quantificar, através do idioma dos KPI’s dos negócios. Esta é a mais valia da nossa metodologia, e a vantagem de nos escolherem.

As empresas e os seus responsáveis nem sempre deram a devida atenção e importância à vertente da comunicação no seio das organizações e no impacto que a mesma tem. Sente que este cenário tem vindo a mudar e hoje as empresas compreendem como a comunicação é um canal fundamental no sucesso das organizações e marcas?
Nos últimos anos a gestão começou a olhar a comunicação como um parceiro estratégico, capaz de contribuir para os objetivos do negócio e para o propósito da empresa, tanto a nível externo como interno.
A comunicação organizacional tem-se afirmado como um fator determinante no crescimento das empresas e para a diferenciação da concorrência. Tal facto, está não só refletido nos níveis de investimento em comunicação, como na qualidade com que algumas empresas passaram a comunicar com os seus stakeholders.

Vivemos atualmente um momento excecional provocado pela pandemia do Covid-19. De que forma é que a marca se viu «obrigado» a adaptar a estes novos tempos e realidade?
Apesar dos planos de gestão de crise desenhados, ninguém estava verdadeiramente preparado para a Covid-19 e, como qualquer empresa, tivemos de nos adaptar à crise pandemica.
Dando cumprimento às recomendações das entidades oficiais de sáude, a nossa primeira medida foi criar as condições para a implementação do teletrabalho, como forma de garantir a continuidade dos nossos serviços, preservando a saúde de todos.
Quisemos estar próximos dos nossos clientes, ainda que virtualmente, percebê-los, escutá-los e antecipar as respostas à crise. Tivemos de tomar decisões rápidas e criámos em tempo record o programa remoto “Comunicação positiva para o futuro novo”.

Um dos maiores erros das empresas passa por acreditarem que neste momento de pandemia a comunicação deve ficar para segundo plano? O que devem as empresas comunicar aos colaboradores, clientes e à comunidade no atual panorama?
Nesta nova fase de desconfinamento, a prioridade das empresas, irá passar pela redefinição do seu plano estratégico, adaptado à nova realidade.
Nesse sentido há que criar as condições para que as equipas possam continuar a produzir, mantendo a ligação com a empresa através de interações que consolidem o espírito de equipa, e preservem a cultura organizativa.
A comunicação interna está a ter um papel importantíssimo no re-engament das pessoas e no reconhecimento pelo esforço que todos fizeram ao longo dos meses do estado de emergência.
Quando pensamos nos clientes, é importante transmitir confiança e reforçar a nossa relação, pelo que comunicar a forma como estão a ser assegurados os serviços, e as facilidades no acesso aos mesmos, bem como as medidas que estão a ser tomadas no controlo da pandemia, são fundamentais.
Comunicar com a comunidade é uma expressão do compromisso público com a própria comunidade. A eles se deve a perceção (boa ou má) sobre a nossa marca e a nossa reputação.

É legítimo afirmar que hoje em dia a Comunicação e as Novas Tecnologias andam de mãos dadas? De que forma é que a inovação é essencial para concretizar uma boa comunicação?
A Covid-19 veio revelar isso mesmo. Durante o isolamento social, adotámos as novas tecnologias para comunicarmos, e estarmos mais próximos. Atrevo-me a dizer que sem esta relação tecnologia-comunicação, o controlo da pandemia teria sido impossível.
Os ultimos numeros publicados pelo Digital Report revelam que o digital, o mobile e as redes sociais tornaram-se uma parte indispensável da vida quotidiana. Mais de 4,5 bilhões de pessoas usam a Internet, enquanto os utilizadores de redes sociais ultrapassaram os 3,8 bilhões.
A maioria das empresas vai apostar nas aplicações mobile, e na cada vez maior integração com o ambiente de trabalho, como forma de envolver os seus colaboradores. O mesmo irá acontecer na relação com a cadeia de valor, onde a capaciade das empresas para se transfomarem tecnologicamente, determinará a sua sobrevivência. É por isso que “inovar para comunicar” é a nossa assinatura.

De que forma é que a Comunicação poderá vir a sofrer mudanças com o novo paradigma em que vivemos causado pela pandemia? O Comunicatorium está preparado para responder a este desafio e promover uma comunicação positiva para um vindouro novo?
Com o regresso à nova normalidade, as empresas necessitam de reagir por forma a garantir a sua sobrevivência e o crescimento sustentável, criando as condições para que as equipas possam continuar a produzir.
O Reconhecimento, a Motivação e a Confiança dos colaboradores e clientes, vão ser determinantes nesta nova fase.
As alterações vão ser constantes e difíceis de antecipar, pelo que o conceito de comunicação positiva em que apostámos, terá de ser regular, proativa, transparente, empática, factual, assertiva, focada na humanização das empresas, agindo como um parceiro estratégico do negócio, suportando as decisões dos CEO’s.
Em plena pandemia lançámos como anteriormente referido, o programa remoto de diagnóstico, planeamento e aconselhamento individual “Comunicação Positiva para o futuro novo”.
Com este programa, estamos a dar resposta ás necessidades reais e atuais das empresas em matéria de boas práticas de comunicação em tempo de crise, na criação do plano de comunicação positiva alinhado com as novas medidas a implementar, e na ajuda à liderança a comunicar com as suas equipas sobre as mudanças e os novos desafios.

Sendo também Vice-Presidente do GRACE, terminaria questionando sobre qual a importância da comunicação na responsabilidade e sustentabilidade corporativa, neste contexto da Covid-19?
No contexto atual, mais do que nunca, as empresas podem e devem marcar a diferença.
Foi notória a preocupação dos líderes e gestores para com a proteção dos seus colaboradores desde o início da pandemia, tendo-se adotado boas práticas de responsabilidade social interna.
As empresas também mantiveram o seu compromisso para com os grupos mais vulneráveis e descobriram novas formas de apoiar as comunidades, seja através de voluntariado à distância, a doações de bens alimentares e equipamentos.
È através da comunicação das práticas de responsabilidade e sustentabilidade corporativas que os stakeholders conhecem as preocupações de uma empresa, contribuindo para o reforço do seu propósito, e para o alinhamento com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da Agenda 2030 das Nações Unidas.
E se é fundamental possuir uma estratégia de comunicação alinhada com os objetivos do negócio, é também essencial incluir na estratégia da empresa, a componente responsável.
Acredito que as empresas responsáveis, desempenharão um papel fundamental na difícil retoma económica que enfrentamos, e que contribuirão para o desenvolvimento económico e social do país.

PARA QUEM NÃO CONHECE, O QUE SIGNIFICA OPTAR PELOS SERVIÇOS E METODOLOGIAS DO COMUNICATORIUM?
Significa apostar na comunicação positva e eficaz. Signifca olhar para a comunicação enquanto fator de sucesso das empresas, gerindo-a estrategicamente, com enfoque na proximidade entre os diferentes grupos de stakeholders, usando as mensagens corretas, os canais de comunicação adequados, e as iniciativas de acordo com os planos definidos.
Significa trabalhar a comunicação de forma tangível, permitindo tomar as decisões que melhor sirvam as empresas e os seus objetivos. É este o nosso propósito.

Realizado em: 06/06/2020

Clique aqui para ver a Entrevista.