A INOVAÇÃO FAZ PARTE DO NOSSO ADN

“Surpreender, cativar e envolver” são três caraterísticas que o Comunicatorium considera serem essenciais para a sua dinâmica de trabalho. Sendo este o primeiro player no mercado português com uma análise diferenciadora, foi no início da pandemia que nasceu o conceito “comunicação positiva”. Vera Norte, Fundadora da consultora de comunicação organizacional, explicou-nos qual a importância do mesmo - em particular no atual contexto em que vivemos."

 

Apresentada ao mercado em 2015, o Comunicatorium é o primeiro player do mercado português com uma metodologia de análise diferenciadora. de que se trata?
O Comunicatorium quis desde sempre ter uma presença diferenciadora e construtiva baseada nos valores que presidiram a sua fundação.
Por isso criámos uma metodologia simples facilmente percebida por todos, mas de grande valor acrescentado pois permite-nos otimizar, focar recursos e medir os resultados da comunicação.
Nesta metodologia a ênfase é na construção de um Plano de Comunicação Integrado. Com base nos resultados de um Diagnostico interno e seguindo uma estratégia de comunicação alinhada com o Plano de Negócio e as prioridades definidas pela empresa, o Plano de comunicação define as iniciativas, os timimg os recursos alocados, os Stakeholders envolvidos, as mensagens chave, os canais de comunicação a utilizar e sobretudo as métricas e os KPI´s de cada iniciativa.

Distinguem-se sobretudo pela inovação e por terem oferecido à comunicação o conhecimento, novas metodologias e ferramentas capazes de ajudar quem comunica, a comunicar melhor. É legítimo afirmar que esta inovação que fazem questão de aliar diariamente aos serviços do Comunicatorium, tem sido a chave do sucesso da marca? Que outros fatores a distinguem num mercado que é, e cada vez mais, competitivo?
A inovação faz parte do nosso ADN. Acreditamos que a inovação é fundamental e em particular na área onde atuamos. Não só do ponto de vista dos processos, mas também do ponto de vista das iniciativas que propomos.
É preciso surpreender, cativar e envolver as pessoas e cada vez, é mais desafiante fazê-lo.
Por outro lado, as constantes mudanças a que temos vindo a assistir empurram-nos e desafiam-nos para sermos mais inovadores mais criativos, para sermos capazes de encontrar novas abordagens aos desafios da comunicação. Aliar a inovação à experiência e à resiliência são talvez os nossos ingredientes para o sucesso.

O ano de 2020 ficará marcado na história do mundo, como aquele que trouxe até às nossas vidas uma pandemia global totalmente desconhecida e com ela as mais diversas consequências em todos os setores. Considera que, na realidade, a metodologia de trabalho do Comunicatorium já estava mais do que preparado para estas mudanças? Ou seja, estava já um passo à frente no que respeita às transformações que se sentem atualmente na comunicação?
O ano de 2020 trouxe realmente desafios que não sendo completamente estranhos do ponto de vista da comunicação aconteceram sem que ninguém estivesse preparado.
De repente a maior parte da comunicação passou a não presencial, houve que gerir crises, usar mais tecnologia, criar planos de emergência, e encontrar novas soluções para manter a informação a fluir, o espírito de equipa vivo, a organização a funcionar. Passámos uma primeira fase mais operacional de gestão de alterações de processos e métodos de funcionar para uma segunda fase de adaptação a uma nova realidade. Nesta nova realidade que ainda não sabemos como vai impactar o futuro da organização, mais que nunca a comunicação nas organizações é fundamental; na equipa entre departamentos, com as chefias, com os clientes, com a comunidade.
Na vertente da comunicação interna a capacidade de manter as equipas alinhadas e motivadas numa situação critica é um fator fundamental para o sucesso da organização.
O Comunicatorium teve a capacidade de adaptar a sua oferta às novas circunstâncias criando respostas mais focadas nas realidades vividas em cada empresa, sempre seguindo a sua metodologia. Não há respostas universais e é importante começar por diagnosticar para cada organização o que é a situação operacional, quais os objetivos do negócio, o que caracteriza a cultura de cada organização.
Nesse sentido o Comunicatorium criou um plano de workshops em plataforma digital (Comunicação para Liderança) para líderes de equipas no sentido de os ajudar em competências de comunicação com enfoque especial para as plataformas digitais. Paralelamente este programa pode ser desenvolvido individualmente com sessões de coaching executivo.
Criámos também no início de 2020 um Programa remoto de Diagnostico, Planeamento e Coaching e adaptámos muitos dos nossos serviços a uma realidade mais virtual apoiando os nossos clientes com novas soluções digitais que lhes permitem manter a comunicação com todos os seus públicos.

Durante o primeiro Estado de Emergência, o Comunicatorium quis perceber as empresas, conhecer as suas preocupações, antecipando as respostas às suas necessidades. Assim surgiu o conceito de “Comunicação Positiva”. De que forma poderão as organizações materializá-lo. Afirmam que a “Comunicação Positiva” é um conceito de comunicação que fará toda a diferença no seio das empresas. O que fomenta esta ideia?
Criámos no início de 2020 o conceito de “Comunicação positiva” porque acreditamos que a comunicação interna iria ser um aspeto fundamental na gestão da crise covid.
Muitas empresas iniciaram planos de trabalho remoto, as reuniões presenciais foram proibidas, as idas ao local de trabalho reduzidas, muitas situações mistas de trabalho com alguns trabalhadores nos locais e outros em casa, a tensão, o stress, o medo afetaram as pessoas individualmente de forma mais ou menos intensas. Era importante contribuir e colaborar com os nossos clientes na implementação de planos de comunicação que pudessem dar resposta a todo um conjunto de novas necessidades e dai surgiu o conceito de comunicação positiva.
O que caracteriza a comunicação positiva? uma comunicação positiva tem seis caraterísticas fundamentais: Regular, Proactiva, Transparente, Empática, Factual e Assertiva.
Regular: não excessiva, mas com a regularidade necessária. Regularidade e consistência criam confiança.
Proativa: muitas vezes é possível antecipar questões e duvidas podendo dar-se antecipadamente respostas a preocupações e duvidas que sabemos vão surgir na organização.
Transparente: em tempos de crise a confiança na organização é fundamental, e para isso é importante ser transparente tanto nas boas como nas más noticias.
Empática: ser empático é ser capaz de se colocar nos “pés do seu interlocutor “é alinhar as mensagens em função dos interlocutores e fazer uma comunicação alinhada com as necessidades dos diversos stakeholders.
Factual: comunicar mais dados e factos concretos, realidades e ações.
Assertiva: a assertividade é fundamental na comunicação, nem diretiva nem paternalista; a comunicação deve ser assertiva e frontal transmitindo segurança.

A identificação de linhas orientadoras da estratégia de comunicação e plano de comunicação, traduzindo-se em resultados alinhados com o propósito do negócio ou organização e seus objetivos é um tema que tem sido levado mais em conta nos últimos anos. Acredita que, neste contexto pandémico, estas soluções ganharam ainda uma maior consciencialização por parte das pessoas e empresas devido às dificuldades que se instalaram na comunicação organizacional? O que mudou?
Esta crise pandémica fez com que se olhasse com mais importância para as pessoas. São as pessoas que fazem as organizações e são elas o elemento diferenciador. Pensando mais em pessoas pensamos mais em comunicação. Sem o contacto físico perde-se muita da informação que se conseguia com a presença regular como a conversa com o colega e a interpretação dos sinais. Temos assistido a um correr às plataformas digitais um aumento de reuniões formais, mas na prática continuamos com um deficit do ponto de vista das relações humanas. Como vai evoluir esta situação é difícil prever, mas acredito que cada vez mais teremos equipas diversas em geografias diferentes, as capacidades de liderança serão cada vez mais exigentes e a comunicação será cada vez mais uma competência fundamental quer para o líder individualmente quer para as organizações no sentido do framework que organiza e disponibiliza aos seus colaboradores para a comunicação interna.

Qual será o papel do Comunicatorium neste processo de mudança e que valor continuarão a aportar aos clientes e aos seus negócios no futuro?
No mercado, temos construído a nossa reputação de forma sólida e sustentada. Assim, continuaremos a apoiar os nossos clientes com soluções customizadas à sua realidade com inovação e dedicação. Acreditamos que a comunicação é um fator chave para o sucesso das organizações e num contexto de mudança continua com desafios organizacionais sociais e económicos constantes e é preciso ser flexível, adaptável à mudança e ter a resiliência necessária para continuar a oferecer as melhores soluções.
O nosso papel será ser o parceiro de confiança que dá suporte a uma comunicação eficaz e positiva.

Vera Norte 07/02/2021

Clique aqui para ver a Entrevista.